sábado, 4 de agosto de 2012

Mutualismo- parasitismo

Um dos problemas com o qual mais sofro é o da falta do conhecimento teórico e aprofundado, aquele conhecimento adquirido na prática da vivência acadêmica, e como faz-me falta... Por outro lado, AH AH AH...como sou grato à natureza pelo direito que me é cedido, de observá-la, e de algum modo, fazer parte dela em todos os momentos nos quais eu me propor à estar incluso à ela.
É assim que ocorre na Terra, estamos inclusos ou apenas participamos... Todos os demais seres e elementos estão inclusos, fazem parte da Terra e das suas interações. Somos somente nós, capazes de nos achar superiores, turistas ocasionais com direito à coletar os recursos existentes como se já houvéssemos pagos pago por eles, bibelôs da nossa grandiosidade.
Raras vezes podemos observar mudanças tão significativas na Terra, raramente propiciamos tal mudanças à necessidade ambiental... Mas as mudanças acontecem naturalmente, o que nos falta é tempo para observar tais ocorrências.
Em continuação aos trabalhos na escola da minha comunidade, agora com o retorno de alguns espectadores, presenciamos a essência do surgimento da vida através de outra vida, o que me desconcertou na Dúvida- folhas, ovos, larvas, lagartas, larvas, corpo da lagarta, sem ovos- mutualismo, parasitismo, alguém disse criação, não soube o dizer... Mas nossas rúculas estavam sendo atacadas por várias lagartas e, uma delas, justamente aquela que não se adaptou ao foco de meu aparelho celular fotográfico, expelia pequenas larvas por toda a extensão de seu corpo, em êxtase, como se procriasse novos seres... apressamo-nos para levá-la aos demais alunos que se encontravam na escola e apresentar o nosso "achado", a nossa tão preciosa descoberta.
Esse é o fundamento do Transforma a Terra, unir vários conhecimentos em torno das ocorrências que se apresentam nas observações da estrutura da vida, mas como ainda não está completamente composta a nossa estrutura, minha incapacidade acadêmica limita meu trabalho, mas nada que não possa ser pesquisado, como aprendi com minha amiga Maria- http://furabolha.blogspot.com.br/, e acabei por encontrar uma resposta para a minha dúvida- 
É fato que as ações de conscientização e educação ambiental não acontecem de uma hora para outra, assim com é fato que tais ideologias de cunho promocional, utilizadoras do oportunismo humano não resultará em grandes modificações, mas em rotinas à serem executadas em datas e dias especiais e com finalidade auto-promocional.
Assim fundamentado- embora não consiga sair muito da cabeça deste tonto que o pensa- nossa proposta é de inclusão- pessoas comuns, alunos, professsores, amigos, blogs, etc- continuado e expansivo à todos aqueles que vierem a participar, à todos aqueles que vierem fazer parte do movimento, para que seja algo grande e heterogêneo, adaptável à cada realidade. Como uma amiga me disse- Educação ambiental não se faz sozinho- assim também não se faz da promoção de sujeitos, mas da promoção de atitudes e mudanças consistentes. A educação ambiental não pode existir de forma parasita, sugando as oportunidades existentes. Educação ambiental é mutualismo, na medida em que encorpora vontades e conhecimentos, ações e reações, atitudes e resultados.
Me falta a teoria, a capacidade, mas me sobram amigos de boa vontade e um mundo pra explorar...
Pela nossa mãe Terra...