segunda-feira, 30 de julho de 2012

Células do organismo Terra.

O que nos diferencia dos demais organismos vivos da Terra é o fato de compreendermos a síntese de criação da vida, temos uma capacidade magnifica de manipulação das estruturas da Terra.
 Pelo que tive oportunidade de ler, todos os seres vivos compartilham de uma mesma receita inicial de formação, capaz de criar aminas que se transformam em aminoácidos, os mesmos que se unem e formam proteínas, base das cadeias de DNA, que resultam na transformação das células. Alguns seres vivos são formados por uma única célula, como no caso das bactérias, outros, dispõem de agrupamento celulares, como é o caso do homem, são células que formam tecidos e que formam órgãos, constituindo aparelhos do organismo humano. O corpo é a nossa primeira casa, uma residência individual da personalidade humana. Não respiramos, não nos alimentamos e não nos hidratamos, apenas respondemos aos estímulos gerados pelas necessidades de nossas células e organizações celulares. Temos a capacidade de compreender essa realidade, mas não conseguimos distinguir, ainda, as necessidades celulares e nossas necessidades mentais. Associamos a saciação da fome ao prazer da degustação dos sabores, a saciação da sede ao frescor da água doce, associamos a respiração aos aromas da atmosfera. Muito embora seja associações, nossas necessidades são, basicamente, sentidos e sentimentos. Aromas, sabores, texturas, imagens, sons, emoções e sensações. Assim nascemos com o propósito de reconhecer a unidade composta por fragmentos interligados, assim o é a vastidão do universos, em suas estrelas e galáxias, assim o é o sistema solar e assim o é a nossa casa Terra. Compreendemos a estrutura de formação da vida e a estrutura de formação dos constituintes de um ser vivo, mas não conseguimos compreender a estrutura da personalidade humana. 
Somos mais do que seres resultantes de um efeito da criação, somos seres escolhidos para compartilhar do próprio processo de criação, quando nos foram revelados alguns de seus segredos. Fomos e ainda somos incapazes de processar tais informações, quando as utilizamos pela única e exclusiva vontade de dominar, quando buscamos tirar proveitos individuais da parcela de conhecimento que nos foi dada. Nosso nicho ecológico talvez seja, usufruir e agregar as informações que recebemos, em fragmentos de conhecimentos que tendem à se interligar para a constituição da nossa funcionalidade, e isso só ocorrerá no momento em que existir uma compreensão de que nossa casa individual, ou nosso corpo, tem as mesmas necessidades que as demais estruturas vivas e não vivas da Terra. Somos células de um organismo maior e seu funcionamento é dependente do tecido que formamos, na composição de um órgão que, talvez seja o órgão de provisão da criação. Esse é o ponto crítico da existência humana, quando temos a possibilidade de prover e a auxiliar na dádiva da criação, mas nos voltamos mais para a dominação e a extinção de habitats e de espécies, somente pelo prazer de exercer um poder fictício e limitado. Nosso nicho ecológico pode ser maior, somos receptores dos segredos da criação e os deixamos perder no egoismo das nossas vontades.