quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Como fazer mudas de forma fácil e barata.

Para quem deseja trabalhar a E A através da atividade em hortas, uma boa alternativa é a formação de um canteiro para a produção de sementes e posterior produção de mudas. Um pequeno quadro é suficiente para que possamos trabalhar um ciclo legal. A possibilidade de visualização do desenvolvimento da planta, a floração e colheita das sementes, a confecção dos tubetes, a preparação do substrato, o zelo diário na irrigação, ver brotar as mudas, fazer a seleção das mudas e o replantio. Todo esse processo acaba por fomentar a curiosidade, impulsiona a percepção e gera um vínculo entre a criança e natureza, e assim que que se aprende o amor à natureza.
Nas minhas atividades, muitos das atividades são testadas em minha horta, através da produção de composto orgânico que produzo. A fabricação de mudas também não é uma ideia minha, sendo que foi retirada da NET, assim como a produção em cartelas de ovos. A realização em casa me permite perceber se há a possibilidade real, compreender as necessidades, falhas e carências no processo de conscientização. Assim, como não pude apresentar os resultados da primeira experiência, ocorrida no início das atividades e em cartelas de ovos, resolvi registrar a segunda e mais participativa opção, através da confecção de tubetes com recortes de revista. Como acabei de retirar uma segunda remessa de composto em minha composteira residencial, aproveitei a produção de sementes na Associação Vila da Infância, onde as atividades estão aralisadas com relação à produção de composto orgânico por adequação dos processos, e iniciei a atividade de produção de mudas. As atividades realizadas, a postagem "semeando alface" é resultado do experimento realizado em meu "laboratório" residencial, que tem como resultado uma germinação consistente e eficaz. Segue abaixo o processo de produção dos tubetes e semeadura. 
As sementes são colhidas, limpas e selecionadas.
Como auxílio de uma rolha, faço pequenos cilindros de papel,  dobrando a base formando copinhos.
Para escolas, cada classe pode produzir 40 tubetes, dois por alunos. É um número suficiente para a formação de um canteiro com cerca de 1 m por 40cm.
Para o enchimento dos tubetes, utilizo solo comum acrescido de composto, em proporções iguais, enchendo o tubete sem compactar.
As sementes são adicionadas de 3 à 5 por tubete, através de um palito umedecido.
Depois de cheios e semeados, os tubetes são colocados em uma base de sustentação, que pode ser uma assadeira, de bolo, caixa de papelão ou madeira, ou outra base que torne a sua sustentação segura. No meu caso, utilizei um velho trilho de alumínio triplo, daqueles utilizados para a fixação de cortinas.
A irrigação é feita através de sereno, para que não se perca solo e sementes, também para não danificar o tubete, duas vezes por dia.

Em três à cinco dias, teremos as primeiras mudinhas brotando dos nossos tubetes, é só admirar o crescimento das mesmas até a hora do replante, o que ocorrerá quando a mesma estiver com cerca de quatro à seis centímetros de comprimento