terça-feira, 15 de maio de 2012

Da escola para a casa.

Fazer com que as aprendizagens sejam levadas do local de aprendizagem para as residências é outra meta que pretendemos alcançar. Como as atividades educacionais tradicionais, visamos a continuidade das atividades fora do local de atendimento, através da montagem de hortas verticais em garrafas PET.
Fora do contesto escolar, as crianças encontram outras alternativas de interação, geralmente levadas à diversão junto à TV, computador, vídeo games e atividades nas ruas. Comumente, as ruas são o grande atrativo de crianças e adolescentes nas periferias das cidades, onde a ausência dos pais, ocupados no labor, implica no favorecimento de atividades nem sempre lícitas.
Iniciar as atividades dentro da instituição foi um desafio do qual ainda demanda esforços e paciência, levar as atividades até as residências dos agentes assistidos parece, para muitos, uma grande ilusão. E é essa ilusão que pretendemos tonar real. A partir da conclusão do processo na primeira leira de composto, parte do produto será destinada à produção de garrafas para o plantio de mudas. A ideia é montar as garrafas de forma que possam ser manipuladas individualmente e a qualquer minuto, em cada encontro será confecciona uma garrafa que será levada para a residência da criança assistida, onde o mesmo terá de cuidar da planta até o consumo. Outra alternativa é a produção de pequenas composteiras que possam ser utilizadas individualmente por cada aluno, fomentando a vontade de produzir o seu próprio composto, à ser utilizado em sua horta particular.



Tais atividades podem parecer irreais à realidade de várias pessoas, inconvenientes e até incomodas, por esse motivo, as atividades iniciais estão ocorrendo dentro da instituição, onde três garotos resolveram, por impulso, criar seus canteiros individuais, com a finalidade de estabelecer seus espaços dentro do projeto. Dar a oportunidade de início, fomentar a vontade de ser reconhecido, buscar a interação e dedicação de forma voluntária dos alunos assistidos pode criar um vinculo de reconhecimento do indivíduo e seu meio particular, expandindo a compreensão aos agentes envolvidos no simples brotar de uma semente à complexidade dos ciclos que permitiram a sua germinação. Assim tentamos modificar um pedaço do mundo.