sábado, 5 de maio de 2012

Ciclo do resíduo orgânico.

Uma das alternativas de reversão dos processos de degradação ocorridos no meio é a conscientização da população, principal transformador da estrutura ambiental. A ideia de Educação Ambiental desenvolvida neste trabalho tem duas vertentes dos quais eu acredito ser as vertentes fundamentais para o alcance de parte dos objetivos almejados.
Quando almejamos uma reestruturação da sociedade para a preservação do meio ambiental, almejamos uma reestruturação humana perante um conjunto de processos que se interligam. Em uma  das poucas oportunidades que tive de falar com as crianças, em caráter de pesquisa, descobri que a ideia de preservação ambiental está ligada às atividades de exploração ocorridas em determinado meio. No nosso caso, a ideia está particionada entre as atividades desenvolvidas pelos órgãos públicos locais, em especial as atividades desenvolvidas pela administração municipal na área de saneamento e as atividades escolares, que fomentam o reconhecimento dessas ações em prol do meio ambiente. Assim, temos uma ampla política de divulgação dos trabalhos executados, com foco especial às necessidades de preservação hídrica, florestal e reciclagem.
Uma das vertentes na qual trabalhamos é a limitação induzida ao ser humano quando da necessidade de aferir a responsabilidade dos processos ao poder público e a máquina administrativa municipal. Não que exista um propósito de desacreditar as ações exercidas pela municipalidade, mas fomentar a responsabilização de cada indivíduo quanto aos efeitos da cessão do seu direito de agir, da creditação pública frente as suas responsabilidades.
O direito constituído ao individuo humano requer a sua atuação, sua responsabilização. É fundamental que exista o entendimento de que somos sete bilhões de habitantes cedendo o direito de agir em nome do consumo. Não contabilizados os recursos destinados aos processos de recuperação dos efeitos de degradação causados por cada atuação individual, a prevenção destes processos é passiva de redução de receitas salariais individuais, minimizando os montantes oriundos das próprias receitas salariais em favor de políticas públicas que remediam sintomas, mas não conseguem curar.
Nesta vertente, utilizamos da transformação da maior parcela dos resíduos gerados pelas populações, no seu próprio local de atuação através da reciclagem da matéria orgânica. A compostagem realizada na instituição é um processo de reversão do "lixo" gerado pelas atividades alimentares e de conservação das áreas verdes existentes no local, com a finalidade de demonstrar como estes materiais são reutilizados de forma cíclica para a manutenção da vida em todas as suas características biológicas.

De nada adiantaria a oportunidade de demonstração do processo de transformação da matéria orgânica sem a complementação do ciclo completo, a segregação dos resíduos, a transformação em adubo, a recuperação do solo através da sua introdução, a absorção pelas plantas e a utilização das mesmas no processo de manutenção da vida através da cadeia alimentar- no caso alimentação na própria instituição.
Assim pretendemos demonstrar que o "lixo" de cada indivíduo pode gerar degradação quando cedido o direito individual que cada um tem de atuar a favor da vida. Os recursos destinados para a coleta e destinação deste lixo é reduzida à cada mínima ação local. Os mesmos recursos destinados à coleta são somados aos montantes utilizados para a recuperação das áreas de aterro e de produção de alimentos, assim como os recursos utilizados para a aquisição dos alimentos provenientes do "lixo" recuperado.